quarta-feira, 31 de julho de 2013

Obra Sanitária

 Ter estado tanto tempo sem escrever entorpeceu-me os dedos, o acesso aos vocábulos e às ideias. Algumas ideias ainda surgem... mas articula-las, expressa-las não é como escrever todos os dias. Falta óleo ao motor. Para além de que aprecio muito mais escrever com a mão que é do meu corpo e com a caneta que é de todos. Por aí as ideias escorrem muito melhor e as palavras são escritas em vez de ser alguém a escreve-las. 
Escrever no computador sem passar pelo papel e pela secretária é como pintar na galeria sem passar pelo atelier. Não que o obreiro não faça a obra mas a obra não é feita só pelo obreiro. É feita pelo olhar do obreiro para outras obras, em simultâneo. Distrações e confusões. Até o cócó para ser feito precisa de recato. 


3 comentários:

Juliana Félix disse...

Então retoma o hábito da escrita e torna-o regular. Quem escreve os textos que tu escreves, da forma como tu escreves, e diz que tem falta de óleo no motor... é porque é muito bom escritor!
Ler-te comove-me, orgulha-me e envaidece-me.
Quanto ao recato necessário para todas as obras... que tal tentares escrever na wc enquanto aguardas que pelo cocó? Sabes que um cocó que se faça com tempo, enquanto o obreiro se mantém sereno e descontraído, é sempre muito mais perfeito. Darás tempo ao teu cérebro para expelir todas as suas ideias e ao teu corpo para expelir tudo o que não lhe interessa. Acho que deve dar saúde...

Jorge Ribeiro disse...

Fdx, vens para aqui falar de merda, falemos de merda.

Cagar, essa bela arte; olhos fechados, maxilares cerrados, punhos fechados e grunhidos interiorizados à espera da libertação explosiva! Emergência anal sem pressas, que agora nas férias há tempo. Cuidado com a falta de água nas Canárias...podes precisar de uma dose dupla ou mesmo tripla de autoclismo para eliminares as provas desse intestino canyano.

Deixa-me que complete; a verdadeira merda está na cabeça.

Jorge Ribeiro disse...

http://imageshack.us/scaled/large/837/nanizinho.gif